Não tem valor se não tiver finalidade. (3/3)


"O que não se faz não existe." Padre Antônio Vieira.


Há quase dois anos atrás eu estive às voltas com uma negociação de sociedade. Eu recebi a proposta depois de um encontro rápido e inesperado promovido por um conhecido comum, e concordei em avançarmos. Sua experiência era claramente diferente e complementar à nossa, e me chamou a atenção a velocidade com que ele foi capaz de alcançar as inúmeras possibilidades e desdobramentos a respeito do que eu falara. Fomos em frente em nossas conversas e, passado algum tempo, ele enviou uma pessoa para, por dois dias inteiros, nos sabatinar, analisar números, documentos, projeções etc. Ele estava cada vez mais entusiasmado com o negócio e a visão de futuro que o apresentamos. Depois de anos trabalhando na construção de um negócio que cresceu de forma surpreendente e que fôra objeto de interesse de alguns investidores que nos buscaram, nós vivíamos um momento diferente. Eu estava diante de um dos maiores reveses que já enfrentei, uma luta angustiante que - aprendi - faz parte do risco inevitável de quem faz a escolha por empreender - sobretudo no Brasil - mas que não a torna mais fácil por isso.


Sabendo do momento financeiro que atravessávamos, a velocidade dos nossos avanços passou a dar lugar a uma curiosa demora. Curiosa porque estava absolutamente claro o seu interesse, que em momento algum se esfriou. Alguma coisa não se encaixava naquele conflito de sinais e eu fui alertado de que ele estaria estratégica e intencionalmente retardando as coisas para que nossa situação financeira se deteriorasse a ponto de aceitarmos uma proposta que lhe fosse mais atraente. Eu me neguei a acreditar nisso, totalmente. Mas o tempo passou e, apesar da minha relutância, os sinais da sua estratégia se tornaram cada vez mais evidentes, o que foi me deixando com uma mistura de tristeza, decepção e indignação. Até que um dia, numa ligação, depois de uma confirmação que me foi simbólica, eu o comuniquei que a partir daquele momento ele poderia considerar que nossa negociação de sociedade chegara ao fim. Estava claro que eu não estava blefando e ele ficou enlouquecido, implorando a todo custo que eu reconsiderasse minha posição.


Marcamos um encontro em SP e numa conversa franca eu expus minhas percepções, indicando todas as razões que me levaram àquela decisão. Eu falei sobre manipulação, sobre a desmedida agressividade das suas propostas, entre outras coisas. Eu sempre acredito no poder da verdade dita com cuidado e respeito, e não queria lhe apresentar motivos que não fossem os verdadeiros. No final ele reconheceu ter usado aqueles subterfúgios e então me surpreendeu com uma pergunta que eu não esperava.


Ele perguntou:


Como eu faço pra mudar isso em mim?

------


Há um livro excelente do Chris Anderson, presidente e curador-chefe do TED, chamado TED TALKS - O guia oficial do TED para falar em público, em que, ao compartilhar sobre algumas das armadilhas mais comuns numa palestra, ele fala sobre uma a ser evitada a todo custo: a conversa de vendedor. Ele diz que é FUNDAMENTAL que o palestrante sempre tenha em mente que ele deve fazer uma DOAÇÃO aos seus ouvintes, e não TIRAR algo deles. Ele diz que os ouvintes sempre saberão identificar a diferença. Eu achei isso incrível e muito verdadeiro, afinal, é mesmo perceptível, e muito incômodo, quando nos deparamos com esse tipo de atitude. Eu li esse livro há anos atrás mas nunca esqueci desse princípio. Na verdade, eu me apropriei dele, o modifiquei ligeiramente e o transformei numa oração e num princípio que passei a perseguir.


Eu passei a orar da seguinte forma:


Deus, ajude-me a fazer com que TODAS as minhas interações sejam doações.

Sim, todas.


Essa doação pode ser um sorriso; pode ser simplesmente olhar nos olhos daqueles com quem falamos para verdadeiramente dar-lhes a nossa atenção e presença por inteiro; ela pode ser a necessária exposição da verdade, um conselho ou um abraço... ela pode ser sua simples companhia, sua alegria ou o seu bom dia; ela pode ser seu conhecimento, sua experiência ou sua visão. É uma questão da intenção com que você transita pelo mundo e pelos relacionamentos. De um olhar que não gira em torno de si mesmo, mas de como levar alegria, beleza, leveza, ao OUTRO.


Uma das passagens que mais gosto na Bíblia é a que diz que o Reino de Deus não é uma questão de comida ou de bebida, mas de justiça, paz e alegria. Ela foi dita num contexto - super atual aliás - em que as pessoas estavam mais ocupadas com a discussão e a defesa de teorias e posições do que com o exercício desse amor e compaixão direcionados ao outro.


Eu gosto demais dessa afirmação. Ela se tornou uma referência na minha vida e uma das expressões que na minha opinião melhor definem a mensagem de Jesus.


Digo isso porque com alguma frequência somos apresentados a “definições” de Deus, Jesus ou do evangelho que são tão abstratas, complexas e “espirituais", que no fim são…. distantes. Mas essa não, essa é uma definição com a qual eu me identifico e sou inspirado a seguir. Ela é simples, prática, acessível e inteligível. Ela fala de valores que não exigem nenhum conhecimento religioso para se buscar e exercitar.


Embora ela tenha sido dita por Paulo, durante muito tempo cultivei a ideia de que tinha sido dita pelo próprio Jesus, pois ela trata de uma advertência muito recorrente em suas mensagens. Uma advertência para o que importa. Para o que realmente importa.


Um dos temas mais frequentes sobre os quais Jesus se dedicou a nos ensinar foi sobre o Reino. Além de anunciá-lo reiteradas vezes, ele dedicou grande parte do seu tempo nos ensinando sobre seu "funcionamento". Suas parábolas sempre começavam assim…. “Porque o Reino de Deus é semelhante a…..”


É como se ele estivesse dizendo a todo momento: “olha, vocês estão acostumados com valores e regras que não são aquelas sobre as quais o meu Reino opera. Vou ensiná-los como ele realmente funciona.” Vou ensiná-los sobre o que importa. Sobre o que realmente importa.


Quando Jesus veio ao mundo ele se deparou com uma série de padrões estabelecidos. Padrões estabelecidos como verdades, inclusive no meio daqueles que tinham ao Deus de Israel como Senhor. Mas Jesus confrontou esses padrões, não se identificando com uma boa parte deles. Ele se solidarizou com todas as categorias sociais que a sociedade judaica da época marginalizava, seja por desconfiança, desqualificação ou discriminação social, política e até mesmo religiosa. Ele demonstrou isso na forma como tratou as mulheres, os doentes, os pobres, os cobradores de impostos, os samaritanos, enfim, todos os desclassificados da época. Ele também demonstrou maior preocupação com o exercício do amor, da compaixão, da reconciliação, e com a propagação da mensagem do Reino, frente a questões consideradas sagradas na época, como o respeito ao repouso sábatico e ao próprio ritual de sacrifício no Templo.


Portanto, se olharmos para Jesus como exemplo, convém nos perguntarmos: quais são as questões da NOSSA época relacionadas à justiça, paz e alegria? Quem são os desclassificados de agora? De que forma podemos combater a desigualdade, a injustiça e a indiferença social, com as informações e ferramentas que dispomos hoje? Como podemos contribuir para que o mundo seja mais justo para todos e não apenas para uns poucos? E me refiro aqui tanto ao mundo no sentido global, como ao mundo da nossa casa, das nossas relações mais próximas. Eu penso que são essas as questões que devem ocupar o nosso tempo e receber nossa energia.


Recentemente uma amiga me procurou interessada em discutirmos sobre o tema do papel do homem e da mulher aos olhos de Deus, mais especificamente sobre ser ou não o homem o “cabeça da casa”. Depois de ouví-la por alguns minutos, disse que minha resposta talvez fosse frustrá-la, o que pareceu ter despertado nela uma curiosidade ainda maior a respeito da minha opinião. Eu disse então que era porque simplesmente eu não estava muito interessado no assunto (rsrs). Disse que mais interessado do que saber se eu era o “cabeça da casa” eu estava em ser capaz de ouvir, perceber, e seguir, minha esposa todas as vezes em que isso fosse a coisa certa a fazer - assim como ser capaz de respeitosamente discordar e manter minha posição sempre que fosse o caso.


Você entende?


Eu penso que algumas discussões podem produzir efeitos nocivos em nós, ao nos manter ocupados porém inertes. Quantos homens estão tão ocupados em defender sua posição de “cabeça”, que perderam a capacidade de sequer ouvir suas mulheres? Confesso que às vezes acho que muitas igrejas estão ocupadas em discussões inúteis.


Quando eu penso no Reino, ele sempre me remete a uma atitude concreta na direção do respeito, da comunicação, da empatia, da compaixão.

------


Voltando à pergunta que recebi....


Como eu faço pra mudar isso em mim?

.... eu dei minha resposta a ele então.


Eu disse que eu testemunhara por algum tempo suas interações e tinha a impressão de que ele sempre tinha em mente a ideia sobre como poderia TIRAR o máximo de cada pessoa em cada interação. O máximo pelo mínimo. O máximo de serviço pelo mínimo de pagamento. O máximo de participação pelo mínimo de investimento. Tirar o máximo e oferecer o mínimo.


Eu disse sobre o quanto eu o via como um bom homem, sobre suas inúmeras qualidades e capacidades, mas que eu tinha a sensação como se ele estivesse viciado nesse tipo de comportamento. Convenhamos, não é difícil se viciar nisso. Infelizmente, ainda vivemos uma cultura predominante nos negócios que privilegia, enaltece e promove os que usam sua "astúcia", "sagacidade", sua "mente rápida" (sempre ditas de forma elogiosa) em favor da exploração, injustiça e manipulação. Ainda aplaudimos os empresários que construíram e ampliam suas fortunas às custas do pior para todos ao seu redor. Pior: muitas vezes almejamos ser como eles, idealizamos suas vidas, seus hábitos e suas conquistas, e então perpetuamos esse tipo de comportamento.


Eu sugeri então que ele experimentasse olhar para cada interação em sua vida como uma oportunidade de DOAÇÃO.

Uma vida voltada para a doação. Atenta, sensível e dedicada ao OUTRO. Onde nossas conquistas, aprendizados e experiências não tenham um fim em nós mesmos, mas se estendam aos que estão ao nosso redor.


------


É com essa sugestão e oração - e com esses três textos - que eu quero encerrar o que chamei de apresentações iniciais desse nosso encontro.


É fato que tenho muito a aprender sobre como fazer isso funcionar, mas, como eu já disse, apesar da distância natural a esse universo digital, eu espero conseguir me fazer presente a ponto de sermos realmente abençoados por essa troca, e ainda que o meu sorriso, meu coração e meu abraço os alcancem e atinjam da maneira mais tangível possível.


Num tempo de desafios tão grandes como o que vivemos agora, o que eu sinto é que nossa esperança tem sido profundamente atacada. E perder a esperança é ver o coração adoecer, é ter a alegria roubada, a confiança abalada. É obscurecer.


Então meu amigo - minha amiga - eu não sei o que você está vivendo, qual a complexidade da sua situação e/ou a profundidade da sua dor. Mas se há algo que eu desejo a você mais do que qualquer outra coisa, é que você se permita ser alcançado por Deus em sua jornada. Um Deus que está muito além da religião e da capacidade do homem de defini-lo ou limitá-lo. Um Deus que se importa e que está interessado em manter uma relação com você exatamente do jeito que você é e na condição em que está, não importa o que de pior ou melhor você já tenha feito ou vivido.


E eu desejo que ao encontrá-lo, você tenha a coragem de entregar a sua história a ele, toda ela, pois eu tenho absoluta certeza que não há nada nem ninguém que tenha o mesmo poder de torná-la uma trajetória repleta de liberdade, profundidade e alegria. :)